A mulher de ferro veste o batom vermelho como o super herói veste a capa e sai, contando com todas as forças que as experiências lhe agregaram.
Por onde ela passa, inspira respeito. A imagem forte dela reflete em todos os vidros. Os homens temem o seu olhar firme, quase sombrio e sobretudo seguro, que economiza as palavras e dizem tanta coisa em tão poucos segundos.
A mulher de ferro está em todos os lugares e parece aguentar todos os pesos do mundo. Ela usa sua agilidade como uma arma e seu passado como armadura. A mulher de passos firmes e quase sempre certos não chora nunca: ela está ocupada escolhendo uma roupa pra ir trabalhar. Essa mulher é um personagem vivo dentro de todas as imaginações e há muitas crenças sobre ela. As pessoas acreditam que além de ter todas as respostas, cada passo dela é friamente calculado e estratégico.
Mas às vezes, ela também não sabe o que fazer. Pasmem.
A mulher de ferro tem receio de que a escutem usando o banheiro na casa dos outros, apesar de não ter tantos outros receios. A mulher de ferro se perde dentro dos raros carinhos que recebe e se atreve a pensar por um segundo em como seria bom nunca mais sair dali de dentro daquele abraço. Ela pode até saber que a solução dos pesos que ela carrega não está assim tão perto, não é assim tão simples. Mas como poderia estar, ela deseja... Apesar de saber esconder, vira e mexe aparecem sentimentos estranhos que ela carrega sem saber lidar. Um peso a mais ou à menos faz muita diferença, acreditem. A mulher de ferro um dia teve o olhar roubado e do fundo dos olhos lhe enxergaram todos os segredos. Alguém finalmente soube que ela não passava de uma menina que precisou aprender a se virar. Um dia houve quem entendesse que a parte mais forte da sua armadura estava frágil e entregue. E ela se atreveu pela primeira vez a acreditar que, finalmente, ela podia ser a menina que sempre foi. Alguém abriu a caixa do seu coração, tirou de dentro os brinquedos, espalhou e foi embora sem dizer adeus.
E dentre tantos outros pesos, tantos traumas, tantas palavras não ditas ou malditas pelo caminho, ela escolheu deixar tudo ali e continuar andando, por nenhuma outra incrível razão do que não saber realmente o que fazer. Essa mulher, assim como todos os outros humanos, sabe tratar das feridas alheias e seu grande pecado é passar a vida escondendo as próprias.
A mulher de ferro só é forte, meus amigos, porque um dia não foi tão forte pra voltar atrás.
E que grande lição aprendemos hoje sobre essa mulher.



Comentários
0 Comentários

0 comentários:

Postar um comentário