Você se lembra da última vez em que me fez essa pergunta?
Eu estava entretida com alguma coisa na janela da sala. Demorei pra perceber que, antes de conseguir me dizer alguma coisa, a preocupação já estava te acompanhando há tempos. 
Foi a primeira vez que eu te vi daquele jeito: preocupado, nervoso, ansioso, tenso. Essa versão de você era novidade. Eu já estava acostumada ao teu jeito pacífico de acreditar que tudo vai dar certo sempre. A tua visão otimista das coisas de repente deu lugar à alguém que tinha medo. Do futuro, do passado, das nossas promessas, dos teus segredos, das outras pessoas, mas principalmente, do amanhã.
"O que vai acontecer com a gente?" o seu olhar me perguntava em silêncio. A sua expressão de alguém que está prestes a tomar uma injeção dolorida. Uma súbita tristeza que não fazia parte do seu habitual sorriso, da paz que você sempre inspira aonde vai.
Naquele dia eu gostaria de ter dito muitas coisas. Gostaria de poder mostrar que eu entendia. Pegar na sua mão e dizer que tudo bem ficar com medo. Tentar te explicar tudo o que estava prestes a ser a nossa nova realidade. Mas eu só te olhava. Apreciava esse cara humano parado na minha frente tentando disfarçar. Eu te olhava e te amava, mesmo que esse cara fosse tão diferente do absurdo-otimista-meio-pateta pelo qual eu me apaixonei.
"O que vai acontecer?" Eu perguntei pra mim. Ali eu percebi que eu também não sabia de nós dois. Percebi que o que a gente estava vivendo não cabia em planos e não existia no amanhã. Era como se eu acordasse todos os dias pra passar o meu último do seu lado. Mesmo assim, eu precisava te dizer alguma coisa, era minha responsabilidade te aliviar pelo menos um pouco aquele peso que estava roubando de mim o seu sorriso. 

Então, meu amor: vai acontecer o melhor da vida.

Mesmo que seja dolorido. Mesmo que a gente precise chorar. Talvez não pareça o melhor no começo, mas logo a gente entende as coisas e atinge a consciência que precisa para ser feliz.
Vai acontecer o que tiver de bom pra acontecer no mundo. Não vou conter os meus sorrisos ao lembrar de você em cada canto onde a gente já pisou. A gente vai olhar pra trás e ficar contente por ter vivido o máximo de cada último dia, até o último dia realmente chegar.  
A verdade é que ninguém é forte o bastante pra reconhecer o melhor enquanto ainda está doendo. 

Mas eu aprendi com você 
A ser forte pra reconhecer
Que o mais sincero dos seus sorrisos
É o melhor pra mim.
Comentários
0 Comentários

0 comentários:

Postar um comentário