Meu esconderijo secreto fica ali na altura de um prédio e outro, onde o sol bate arteiro, o vento sussurra no ouvido, o cabelo pensa que é passarinho e quer voar. Eu sempre venho aqui pra pensar. Não deveria. Não devia pensar mais um minuto sequer, nunca mais. Quando eu estou aqui de olhos pro azul do céu e o barulho dos carros lá em baixo vai ficando mudo, penso em você. 
Quando eu deito no chão de concreto cinza e imagino como é morder uma nuvem, penso em você. Eu gostaria de apenas pensar, lembrar, gastar meio sorriso, depois pensar na conta de telefone atrasada e ir embora. Mas ali, eu vivo você. 
Eu vivo as coisas que a gente não fez e queria. Eu vivo as risadas que você me deu. Vivo as conversas que a gente adiou talvez pra sempre. Ensaio as minhas falas, imito a sua voz. Eu vivo o conforto do seu abraço. Vivo cada pequeno gesto, maior que nós mesmos sem perceber. Eu vivo as pegadas que a gente deixou no tempo e que provavelmente, continuam no mesmo lugar. Vivo o desespero de lembrar que lá naquele dia, onde eu vi você pela primeira vez, não posso apagar nem voltar nem bater o pé e se chorar, nada muda, já tentei. Aquele dia vai ficar do meu lado, fofocando com a minha sombra, fazendo chantagem com o meu coração. O passado é imutável, e por mais que eu queira andar em paz com ele, a sua falta nunca sai de mim.
Eu queria imaginar um futuro do seu lado, saudável. Mas depois de você passei a desconfiar da sanidade, essa traiçoeira. Eu vivo a gente escolhendo uma casa. O que você acha de um apartamento? Vivo poder dizer que você é a minha família. Cinco filhos tá bom pra você? Eu vivo ter de novo as suas pegadas do lado das minhas. Vamos ter um cachorro ou um gato? Vivo a gente jantando na nossa mesa, e a comida nem estava tão gostosa, mas olha isso: a gente tem uma mesa! Tá ficando sério isso aqui.
A sirene da ambulância passou correndo na Avenida Paulista. Me roubou do meu universo paralelo feito de nós dois. Fiquei pensando: porquê será que o amor faz a realidade ficar mais chata?
Parei por cinco segundos inteiros pra pensar na minha pergunta ao tempo (porque não tinha ninguém ali). Eu falei amor? Meu Deus. Eu falei.
Meu Deus. 
Eu amo você.
Ferrou.
Comentários
0 Comentários

0 comentários:

Postar um comentário