Aos poucos eu estou começando a acreditar que no mundo existem mais conselhos do que problemas. A grande maioria dos que eu ouço por aí estão tão absurdamente errados que dão até um frio na espinha como se estivesse ouvindo alguém riscar as unhas num quadro-negro. Mas como diria minha avó (e provavelmente a sua também), se conselho fosse bom ninguém dava, vendia. E eu não quero que mais ninguém compre esses conselhos absurdos que ando vendo e ouvindo por aí.

O mundo cobra da gente uma capa de super herói quase o tempo todo, e a gente acaba aceitando a viver desse jeito bagunçado que diz que, não importa como você esteja por dentro, precisa se mostrar forte. Mas a verdade é que nada na vida importa mais que isso: como você se sente em relação à alguma coisa. Os nossos sentimentos são uma das forças que nos movem pra frente ou pra trás e quando a gente se priva deles, acaba doente ou maluco. 
Sempre vão existir pessoas que acreditam estar em condições de julgar a forma como você lida com seus sentimentos e com seus problemas, mas no final, quem vai ter que enfrentar tudo é você.

Eu sei que às vezes tudo o que a gente quer é ajudar o outro a sair da fossa, levantar a poeira e ser a nossa companhia na próxima balada. Eu sei que o mundo perfeito das redes sociais diz que a gente tem que estar bem, feliz, rico e viajando o tempo inteiro. Mas a verdade é que, nada exige mais força interior do que assumir a nossa humanidade. Vestir a capa de que está tudo ok, é fácil. Difícil é enfrentar sozinho a dor de uma saudade ou de uma traição sem saber o que vai acontecer depois. Tirar aquela selfie na balada depois de outra decepção pra mostrar o quanto você está bem, feliz, e segura de si? Vish, easy. Difícil é chegar em casa carregando o mesmo vazio com o qual você saiu.

Por isso, chore. Chore por ele mesmo que ele não mereça um terço das suas lágrimas. Quem merece ter o direito de lavar a alma é você. Chore por ela mesmo que à essa hora ela já esteja com outro. Também vai chegar a sua hora de recomeçar. Chore e conte para o seu amigo mais próximo o quanto está doendo. Você vai chorar uma, duas, três vezes. E quando a dor bater na porta, vocês serão velhas amigas sentando pra conversar. Chore até olhar pra trás e sentir vontade de dar risada do quanto você sofreu. Até você sentir vergonha daquelas músicas bregas que ouviu durante a fossa. Até perceber como o dia está bonito lá fora e chamar algum amigo pra dar uma volta. Mas não se prive do direito de ser de carne e osso. 

Se você tiver que encarar ele(a) sorrindo com satisfação ao saber que você está sofrendo, sorria por dentro e use isso como combustível para organizar os seus sentimentos. Chorar e sentir a dor de um amor pode ser a última peça que faltava pra você entender que, no final, era só ego. Só um medo bobo de não saber curtir sozinha. Só a dor natural de ter que deixar ir embora.  Vai ser a peça que faltava para você entender que viveu tudo o que podia da melhor forma possível e que agora, um caminho todo cheio de surpresas e novos desafios estará te aguardando. Mas não se preocupe. Você pode chorar à vontade que quando a tempestade passar, o caminho que for seu continua ali te esperando.



Comentários
1 Comentários

1 comentários:

  1. Tem toda razão: chore mesmo! Encaremos a realidade de forma humana, mas de frente e com força, porque a realidade é terrível; enganamo-nos todos os dias; sempre!
    Parabéns e um grande abraço, Bharbara!

    ResponderExcluir