"We drive cadillacs in our dreams"




Chega uma hora na vida da gente, que a gente quer um monte de coisas ao mesmo tempo.  Você quer viajar o mundo com a mochila nas costas, mas sabe o quanto trabalhou duro pra alcançar aquele cargo ou aquela promoção. Você quer ficar em casa tranqüilo curtindo um filme no Netflix, mas o seu sofá parece tão vazio quando você olha as fotos da última balada que a galera postou no Instagram... Daí você encontra aquela foto antiga, de quando você e mais alguém eram um par. Você respira fundo e quer. Quer sentir a bobeira da vida, entender do que as pessoas falam nas músicas, quer receber aquele olhar que te conhece, que te pertence e que te possui, conversar sem as palavras e sentir que, finalmente, alguém conseguiu gostar do que existe em você além das pilhas dos seus defeitos e da sua cara de domingo. Mas, e como todos os "mas" que determinam exatamente o meio de um caminho que a gente nem sabe onde vai dar, chega um momento na sua vida que você não quer outra coisa: você só quer paz.

Com o tempo, você percebe que amor ou não amor também é uma questão de sorte, e céticos dirão que isso não existe, mas há toda uma lógica que nosso estúpido cúpido parece seguir (e nós não). As milhões de pessoas que existem lá fora e que tem potencial para ser o nosso futuro “match” da vida real, estão passando cada uma por uma fase da vida diferente, algumas pelas quais você já passou há séculos, e outras, quem sabe você nunca vai passar. Então a sua condição de compreender o outro, de entender a forma como ele enxerga e lida com o mundo passa a ser limitada e isso é muito louco.
Significa que, da mesma forma que você, que já se cansou de relacionamentos vazios e encontros sem significado, decidiu passar a lidar com as próprias escolhas de uma maneira mais séria e mesmo assim, sempre acaba saindo com alguém que no final quer exatamente o oposto de você, existem caras lá fora que estão passando exatamente pela mesma coisa. Eles querem. Querem o contato de almas mais do que o de corpos (que também conta, sejamos sinceros). Mas talvez, por uma questão de sorte ou de não sei porque raios, os caminhos de vocês não se cruzaram.


Então se um dia você estiver passeando por aí e tropeçar em uma lâmpada mágica com um gênio dentro, primeiro peça para ficar bilionário, depois peça mais desejos e por último, peça sorte. E isso faz sentindo porque, todas as vezes em que eu me peguei amando, eu me sentia a pessoa mais sortuda do mundo. Amor é umas das poucas coisas na vida que não dependem só do nosso mérito e desempenho. Amor é sorte, Rita Lee já descobriu, e eu faço parte do time das azaradas. Mesmo assim, estou escrevendo esse texto pra você menina-moça, não ficar triste quando seu cúpido errar de flecha pela 124879288ª vez e aquela ligação no dia seguinte não acontecer. Não foi você. Por mais chata e cheia de manias que você seja, existe alguém no mundo que adoraria rir de todas elas. Por mais vezes que você tenha recebido mensagens de caras que só queriam uma coisa, existem uns perdidos por aí que querem mais. E por mais perfeito que aquele encontro possa ter parecido, não era pra ser. Mas eu sei que mais dia, menos dia, seu cúpido acerta de flecha e você finalmente, vai ter em quem descontar a Tpm (hehehe brincadeirinha).
Continue vivendo, sendo você, faça as pazes com o espelho, diga quantos "nãos" forem necessários e acredite. Vai valer à pena!
Comentários
1 Comentários

1 comentários: