Eu gostaria de que você soubesse, antes de tudo, que isso é algo que está muito além da sua vontade.
Você pode até não querer, não concordar, não estar confortável, não gostar,
mas eu vou te chamar de Amor.
Vou te chamar de Amor quando você acordar me procurando com aquele par de olhos pequenos e inchados de sono, me apertando num abraço como se fosse o seu urso de dormir ou travesseiro.
Vou te chamar de Amor quando você estiver puto por alguma coisa que eu poderia ter dito de outro jeito, mais leve, menos tapa na cara, mas que eu já disse e que então dito está.
Vou te chamar de Amor quando eu voltar, sem vergonha, te mimando beijando seu rosto mil vezes, pedindo desculpas sem palavras. E também quando você tentar se fazer de durão pelos primeiros 15 segundos.
Vou te chamar de Amor quando você estiver chorando e me deixar irritada, te mandando parar com o mi mi mi. Por que você sabe que eu farei isso.
Vou te chamar de Amor naquele café que você me trouxe, e ainda levantou mais duas vezes pra buscar meu capuccino e adoçante.
Vou te chamar de amor quando dormir no seu filme preferido. Quando tiver que dar uma bronca porque você não fez o trabalho na faculdade. Quando te corrigir a fala, pela milésima vez, e quando eu falar mal daquela música que você gosta só pra ver a sua cara de bravo.
Vou te chamar de Amor quando você decidir seguir em frente. Quando levantar a cabeça e perceber que eu já não estou na nossa cama king size. Vou te chamar de amor quando nós dois estivermos chorando a falta um do outro, em dois lugares, ao mesmo tempo, sem saber nem se dar conta de como nossas vontades são pequenas dentro do Universo.
Vou te chamar de Amor quando você acordar pra trabalhar. Quando as pessoas começarem a perguntar porque você anda de cara amarrada esses dias. Quando você passar da conta na cerveja da happy hour. Quando nós dois chegarmos em casa carregando o mesmo vazio, mesmo que tão antipaticamente.
Vou te chamar de Amor depois daquele e-mail que você escreveu e apagou mais de mil vezes, e que nunca se tornará uma nova mensagem na minha caixa postal.
Vou te chamar de Amor quando você me ligar, desprentensioso, pra me contar que vai casar.
Quando você suspirar fundo, insatisfeito, quando eu tentar à todo custo te mostrar o quanto estou feliz por você.
Ou mesmo, quando você se tornar o homem que eu acreditei que você seria, o homem que apostei que trilharia os caminhos árduos além de montanhas de ego e de orgulho, e que mais cedo ou mais tarde, eu encontraria na estrada, no mar, numa dessas curvas da vida qualquer, me esperando...
Acredite, vou finalmente te chamar de Amor.

Comentários
0 Comentários

0 comentários:

Postar um comentário