Eu tenho poucas lembranças da minha infância. A maioria delas são flashes de memória meio embaçados, sob nuvens, eu nunca tenho certeza se de fato é uma lembrança ou se é uma mistura com imaginação. Mas daquele dia, eu me lembro detalhadamente. Eu sei até mesmo a roupa que você estava vestindo: uma calça jeans alta e clara com botões perto da barra, você ainda tem essa calça. Uma camisa branca por dentro da calça com um cinto por cima e uma bota curta. Eu era pequena, era tarde, mas eu estava muito ativa e ansiosa pra você chegar, é claro que eu não iria dormir. Foi no dia em que você me trouxe aquele trenzinho colorido que não funcionou quando você chegou, e eu não deixei você trocar. Você ainda usava o cabelo cacheado, mas por algum motivo naquele dia não estava tão volumoso como de costume. Você estava cansada, muito cansada, mas você ficou comigo ali até eu dormir e quando eu acordei você ainda estava lá. Nós brincamos de “cosquinha” e você ficou um bom tempo assistindo desenhos comigo na televisão. Eu estava feliz por você estar ali mas ao mesmo tempo triste porque eu sabia que em alguma hora você ia ter que ir embora de novo.
As primeiras vezes que você se foi, foi doloroso é verdade. Eu fazia escândalos atrás da porta quando você saía porque eu não sabia lidar direito com esse sentimento. Mas ao contrário do que você pensa, não demorou pra eu entedesse que você precisava ir, não que estava me deixando por vontade. Eu soube disso também naquele mesmo dia, porque eu podia sentir de fato, que você me amava muito. 
Apesar de eu ter sido uma criança difícil de lidar e apesar de você não ter tido uma história fácil, você me amava muito. Então a dor de ver você indo ficou mais fácil de entender e de suportar. Mas eu não sabia que aquele dia era o último dia em que eu veria você. Se eu soubesse, se eu ao menos imaginasse, eu não teria dormido só pra passar mais tempo do seu lado. Você foi embora, E ela voltou no seu lugar. Ela tinha o cabelo liso, vermelho, nenhuma paciência, muito mais cansaço. As duas maiores diferenças entre você e ela, eram o fato de ela não ir mais embora e o fato de eu nunca ter conseguido enxergar aquele amor que você tinha por mim nos olhos dela. Ela era você, tinha o seu rosto, o seu corpo, a sua voz. Mas outro cheiro, outro jeito, outra personalidade. Com ela só haviam brigas e ela gostava de me provocar. Ela detestava brincar de cócegas e raramente tinha tempo pra ver desenhos. Ela passava o dia fora e chegava tarde, cansada e com sono. Aos poucos, eu fui ficando sozinha, me isolava dela, evitava ela. Mas eu não conseguia entender como isso era possível. Ela era você, e ao mesmo tempo não era você. Eu criei várias hipóteses. Talvez você tivesse uma irmã gêmea malvada que tomou o seu lugar. Talvez algum alienígena tenha clonado você e te levado pra fazer experimentos em outro planeta. Mas as hipóteses foram indo embora junto com a inocência. Eu tive que aceitar, mesmo que tarde, que você era Ela. Mas uma boa parte de mim às vezes ainda faz essa separação, mesmo sem ter as respostas.
Quando eu penso nela, meus olhos enchem de lágrimas. Eu acho que ela morreu em algum lugar, porque se ela estivesse viva teria voltado pra me procurar até o fim do mundo. Eu daria qualquer coisa pra ver ela de novo. Tem tanta coisa que eu queria ter dito pra ela, mas eu era tão pequena...  Mãe, onde quer que você esteja, eu queria que você soubesse, que eu passaria todos esses 21 anos te esperando no mesmo lugar se você me dissesse que iria voltar. Ninguém no mundo te amou mais do que eu amei. Algumas vezes eu tentei dar esse amor pra aquela que ficou no seu lugar, tentando me convencer de que ela era você. Mas ela pareceu me odiar por algum motivo, por isso eu não consigo acreditar que vocês são a mesma pessoa. Você me fez sempre muita falta, não quando você precisava trabalhar ou estudar, mas quando eu percebi que não iria mais voltar. Eu espero que você esteja descansando em algum lugar, e que algum dia eu possa ver você de novo... Eu acho que você teria orgulho da pessoa que eu me tornei, e que eu ainda estou tentando construir pela sua memória. Perdão se alguma vez eu te culpei pelos meus erros, por não ter sido sempre parte dos seus planos, por todas as vezes que não atingi as suas expectativas, perdão.

Hoje eu já não tenho mais um relacionamento com aquela que ficou no seu lugar. Ambas lutamos muito pra levar isso a diante, mas realmente, não deu. Essa semana eu achei na bíblia aquela parte que diz que existem coisas que nos nunca conseguimos entender, coisas que estão alem do nosso entendimento, daí eu lembrei de você. Peguei a foto que sobrou daquele dia e nos dormimos juntas. Se eu sonhei com nossos planos, não me lembro. Mas vou carregar em mim pra sempre a esperança de ver você voltar. De um dia desses, simplesmente olhar nos olhos dela e ver os seus novamente. Mas se isso não acontecer, meu coração sabe que eu vou encontrar você. Num outro plano, numa outra dimensão, depois da vida.

Comentários
0 Comentários

0 comentários:

Postar um comentário